Responsabilidade como Humanismo - Volume 02

Responsabilidade como Humanismo - Volume 02 - O Poder: Condição Instrumental do Agir - De Acordo com a Legislação Brasileira

Alexandre Sergio da Rocha

Versión impresa

¡En España solamente se venden en librerías!

Versão digital

Disponible para: Android iOS
por € 16,20 + IVA Añadir a la cesta


Detalles

Autor/Autores: Alexandre Sergio da Rocha

ISBN v. impressa: 978989712828-8

ISBN v. digital: 978655605983-9

Encuadernación: Tapa blanda

Número de páginas: 270

Publicado el: 05/11/2021

Idioma: Português Brasileiro

Sinopsis

Mostra-se neste livro como o poder é um dos requisitos básicos para que exista responsabilidade; os outros são a liberdade e a imputabilidade moral. A responsabilidade decorre da capacidade humana de agir, modificando o mundo objetivo e social, afetando, por essa via, as vidas de outros seres humanos. A ação é objeto de estudo específico no primeiro volume desta obra. Já este volume dedica-se a examinar a condição de possibilidade da ação – o poder. São examinadas, para isso, as diferentes teorias do poder – substantivista, relacional e relativa. Mostra-se que a complexidade do fenômeno do poder cria problemas significativos para a prefiguração de seus resultados, o que aproxima essa questão do conceito de véu de ignorância, de Rawls. O poder se apresenta em seu dúplice aspecto: o poder performativo – poder de fazer – e poder indutivo – poder de fazer com que seja feito. O primeiro aspecto refere-se a modificações do mundo pelo próprio sujeito; o segundo, a modificações feitas por outros sob o comando do sujeito de que se fala. Analisa-se o poder como controle, e mostra-se como sua essencialidade engendra a ideia de dominação. Além do poder como relação direta do sujeito com o mundo e com outros sujeitos, discute-se como o poder se difunde na sociedade como controle social, mediante estruturas de dominação, significação e legitimação. Em especial, sublinha-se a importância do uso da comunicação como veículo de poder. São analisadas, também, questões como o poder passivo – o poder do polo passivo na relação de mando e obediência – e, nessa perspectiva, o poder para obedecer, que torna eficaz a obrigação imposta ao sujeito. Sublinha-se sempre a eficácia como traço essencial do poder.

Autor/Autores

ALEXANDRE SÉRGIO DA ROCHA

Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, da qual é docente aposentado; dedicou mais de 50 anos ao magistério superior, no Brasil e no exterior. Residindo, hoje, nos Estados Unidos, ensinou, depois de aposentado, em faculdades da cidade de Salvador, BA, inclusive no programa de pós-graduação da Universidade Federal da Bahia – UFBA. Especialista em Estudos Estratégicos, tendo sido assessor do Inter-American Defense College, em Washington DC., como representante do Brasil. Autor de Corrupção: conceitos e reflexões (Juruá Editora, 2018) e O Grande Jogo da Estratégia (Corpo da Letra, 2021).

Sumario

LISTA DE FIGURAS, p. 7

1 CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES, p. 9

2 O PODER PERFORMATIVO, p. 15

2.1 A NATUREZA DO PODER, p. 17

2.1.1 As Modalidades do Poder, p. 20

2.1.2 Eficácia e Institucionalidade, p. 24

2.1.3 A Natureza Relacional do Poder, p. 28

2.2 A COMPOSIÇÃO DO PODER, p. 32

2.2.1 A Capacidade, p. 34

2.2.2 A Possibilidade, p. 43

2.2.3 A Autorização, p. 47

2.3 OS RESULTADOS DO PODER, p. 54

2.3.1 Os Resultados do Poder e o Véu da Ignorância, p. 56

2.3.2 A Mensuração do Poder, p. 59

2.4 CONSIDERAÇÕES CONCLUSIVAS, p. 65

3 O PODER INDUTIVO, p. 71

3.1 A NATUREZA DO PODER INDUTIVO, p. 72

3.1.1 Os Tipos de Poder Indutivo, p. 76

3.1.2 Poder Nominal e Poder Real, p. 84

3.2 O PODER COMO LIMITAÇÃO DA AGÊNCIA: O CONTROLE, p. 88

3.2.1 O Controle como Necessidade, p. 94

3.2.2 A Questão Crucial do Controle: a Dominação, p. 102

3.2.3 O Poder Passivo, p. 107

3.2.4 O Poder para a Obediência: a Obrigação Eficaz, p. 116

3.3 CONSIDERAÇÕES CONCLUSIVAS, p. 121

4 O CONTROLE SOCIAL, p. 127

4.1 AS DIMENSÕES ESTRUTURAIS DA SOCIEDADE, p. 132

4.1.1 As Estruturas de Dominação, p. 134

4.1.2 Como o Sujeito se Situa, p. 141

4.1.3 Uma Leitura Epicurista das Estruturas, p. 149

4.1.4 A Prudência: entre a Pragmática e a Normatividade, p. 155

4.2 RESPONSABILIDADE E CONTROLE SOCIAL, p. 162

4.2.1 O Controle Social sobre o Sujeito, p. 163

4.2.2 A Responsabilização, p. 171

4.2.3 A Responsabilidade como Controle Social, p. 178

4.3 CONSIDERAÇÕES CONCLUSIVAS, p. 183

5 CONTROLE E COMUNICAÇÃO, p. 189

5.1 OS USOS DA COMUNICAÇÃO, p. 192

5.1.1 A Comunicação Dirigida: Apologia e Explicação, p. 194

5.1.2 Boa-Fé e Manipulação do Discurso, p. 204

5.1.3 O Poder da Aparência e os Ritos do Poder, p. 209

5.2 O CONTROLE SIMBÓLICO, p. 217

5.2.1 Os Controladores de Significado, p. 221

5.2.2 Os Meios de Comunicação de Massa, p. 228

5.2.3 O Controle da Mídia e a Formação da Opinião, p. 234

5.2.4 A Internet e as Mídias Sociais, p. 237

5.3 CONSIDERAÇÕES CONCLUSIVAS, p. 244

CONCLUSÃO DO VOLUME, p. 249

REFERÊNCIAS, p. 255

Índice Alfabético

A

  • Aparência. Poder da aparência e os ritos do poder, p. 209
  • Apologia. Comunicação dirigida: apologia e explicação, p. 194

B

  • Boa-fé e manipulação do discurso, p. 204

C

  • Composição do poder, p. 32
  • Comunicação de massa. Meios, p. 228
  • Comunicação dirigida: apologia e explicação, p. 194
  • Comunicação e controle, p. 189
  • Comunicação. Usos da comunicação, p. 192
  • Conclusão do volume, p. 249
  • Considerações preliminares, p. 9
  • Controladores de significado, p. 221
  • Controle como necessidade, p. 94
  • Controle da mídia e a formação da opinião, p. 234
  • Controle e comunicação, p. 189
  • Controle e comunicação. Considerações conclusivas, p. 244
  • Controle simbólico, p. 217
  • Controle social, p. 127
  • Controle social e responsabilidade, p. 162
  • Controle social sobre o sujeito, p. 163
  • Controle social. Considerações conclusivas, p. 183
  • Controle social. Responsabilidade como controle social, p. 178
  • Controle. Poder como limitação da agência: o controle, p. 88
  • Controle. Questão crucial do controle: a dominação, p. 102

D

  • Dimensões estruturais da sociedade, p. 132
  • Dimensões estruturais da sociedade. Como o sujeito se situa, p. 141
  • Dimensões estruturais da sociedade. Uma leitura epicurista das estruturas, p. 149
  • Discurso. Boa-fé e manipulação do discurso, p. 204
  • Dominação. Estruturas de dominação, p. 134
  • Dominação. Questão crucial do controle: a dominação, p. 102

E

  • Epicuro. Dimensões estruturais da sociedade. Uma leitura epicurista das estruturas, p. 149
  • Estrutura. Dimensões estruturais da sociedade, p. 132
  • Estrutura. Dimensões estruturais da sociedade. Uma leitura epicurista das estruturas, p. 149
  • Estruturas de dominação, p. 134
  • Explicação. Comunicação dirigida: apologia e explicação, p. 194

F

  • Figura. Lista de figuras, p. 7

I

  • Indução. Poder indutivo, p. 71
  • Internet e as mídias sociais, p. 237

L

  • Limitação da agência. Poder como limitação da agência: o controle, p. 88
  • Lista de figuras, p. 7

M

  • Manipulação do discurso. Boa-fé e manipulação do discurso, p. 204
  • Meios de comunicação de massa, p. 228
  • Mensuração do poder, p. 59
  • Mídia. Controle da mídia e a formação da opinião, p. 234
  • Mídia. Internet e as mídias sociais, p. 237

N

  • Natureza do poder indutivo, p. 72
  • Necessidade. Controle como necessidade, p. 94
  • Normatividade. Prudência: entre a pragmática e a normatividade, p. 155

O

  • Obediência. Poder para a obediência: a obrigação eficaz, p. 116
  • Obrigação eficaz. Poder para a obediência: a obrigação eficaz, p. 116
  • Opinião. Controle da mídia e a formação da opinião, p. 234

P

  • Poder como limitação da agência: o controle, p. 88
  • Poder da aparência e os ritos do poder, p. 209
  • Poder indutivo, p. 71
  • Poder indutivo. Considerações conclusivas, p. 121
  • Poder indutivo. Natureza, p. 72
  • Poder indutivo. Tipos, p. 76
  • Poder nominal e poder real, p. 84
  • Poder para a obediência: a obrigação eficaz, p. 116
  • Poder passivo, p. 107
  • Poder performativo, p. 15
  • Poder performativo. Considerações conclusivas, p. 65
  • Poder. Composição, p. 32
  • Poder. Composição. Autorização, p. 47
  • Poder. Composição. Capacidade, p. 34
  • Poder. Composição. Possibilidade, p. 43
  • Poder. Eficácia e institucionalidade, p. 24
  • Poder. Mensuração, p. 59
  • Poder. Modalidades, p. 20
  • Poder. Natureza, p. 17
  • Poder. Natureza relacional, p. 28
  • Poder. Poder da aparência e os ritos do poder, p. 209
  • Poder. Resultados, p. 54
  • Poder. Resultados do poder e o véu da ignorância, p. 56
  • Pragmatismo. Prudência: entre a pragmática e a normatividade, p. 155
  • Prudência: entre a pragmática e a normatividade, p. 155

Q

  • Questão crucial do controle: a dominação, p. 102

R

  • Referências, p. 255
  • Responsabilidade como controle social, p. 178
  • Responsabilidade e controle social, p. 162
  • Responsabilização, p. 171
  • Resultados do poder, p. 54
  • Resultados do poder e o véu da ignorância, p. 56

S

  • Significado. Controladores de significado, p. 221
  • Simbolismo. Controle simbólico, p. 217
  • Sociedade. Dimensões estruturais da sociedade, p. 132
  • Sujeito. Controle social sobre o sujeito, p. 163

T

  • Tipos de poder indutivo, p. 76

U

  • Usos da comunicação, p. 192

V

  • Véu de ignorância. Resultados do poder e o véu da ignorância, p. 56