Controle de Constitucionalidade

Controle de Constitucionalidade - Teoria e Evolução - De Acordo com a Legislação Brasileira

Wanderlei José dos Reis

Hojear

Versión impresa

por € 21,60 + IVA Añadir a la cesta

Versão digital

Disponible para: Android iOS
por € 15,12 + IVA Añadir a la cesta


Detalles

Autor/Autores: Wanderlei José dos Reis

ISBN v. impressa: 978989712634-5

ISBN v. digital: 978853629189-5

Encuadernación: Tapa blanda

Número de páginas: 216

Publicado el: 10/10/2019

Idioma: Português Brasileiro

Sinopsis

A Lex Fundamentalis de 5 de outubro de 1988 foi intitulada de “Constituição Cidadã” pelo fato de trazer em seu bojo uma série de direitos e garantias individuais do cidadão em face do Estado, o que não poderia ser diferente, ante o momento do constitucionalismo em que foi editada, bem como em razão do contexto histórico nacional vivido na oportunidade, o rompimento com um regime totalitário para adentrar numa democracia.

Decorridos mais de trinta anos da entrada em vigor da atual Carta Política, diversos avanços foram alcançados, notadamente em relação à afirmação da efetividade dos preceitos constitucionais, a superação da ilegitimidade e das contínuas agressões à le­galidade, que caracterizavam o sistema político-institucional anterior, e a consolidação do STF como seu guardião-mor.

Com efeito, o modelo misto de fiscalização da constitucionalidade adotado no Brasil é marcado pela multiplicidade de instrumentos processuais que visam à verificação da compatibilidade dos atos do Poder Público e à tutela dos direitos fundamentais. Essa variedade de ações constitucionais, próprias do sistema difuso, é completada por uma gama de mecanismos destinados ao exercício do controle abstrato de constitucionali­dade pelo STF, a exemplo da ação direta de inconstitucionalidade, ação declaratória de constitucionalidade, ação direta de inconstitucionalidade por omissão e da arguição de descumprimento de preceito fundamental.

Sem dúvida, os instrumentos de controle de constitucionalidade são as principais fer­ramentas para se garantir a força normativa da Carta Magna, porquanto sem tais mecanismos não haveria de se falar em eficácia e supremacia das normas constitucionais e, por consequência, em fortalecimento da jurisdição constitucional e proteção dos direi­tos fundamentais e do próprio Estado Democrático de Direito.

Neste contexto, a obra faz uma verificação minudente da evolução do controle de constitucionalidade no Brasil, com ênfase para o estágio atual, realizando uma análise crítica do que se deu ao longo da história do constitucionalismo brasileiro, os avanços e retrocessos experimentados em cada período, com vistas, sobretudo, à perfeita com­preensão dos mecanismos existentes na atualidade contemplados no Estatuto Supremo de 1988 e sua interpretação, além de se demonstrar a construção do controle de constitucionalidade no direito brasileiro em torno do STF, o consequente crescimento da importância conferida à Corte, como guardiã máxima da Constituição (art. 102, caput, CF), sua consolidação na atualidade e as modernas tendências de sua jurisprudência.

Autor/Autores

WANDERLEI JOSÉ DOS REIS

Pós-doutor e doutor em Direito. Mestre em Direito Constitucional. Juiz de Direito (1º colocado no con­curso). Ex-Delegado de Polícia (1º colocado no concurso). Professor de Direito Constitucional, Penal e Processual Penal. MBA em Poder Ju­diciário pela FGV Rio. Graduado em Ciências e Matemática (com ênfase em Informática). Especialista em Filosofia e Direitos Humanos, Direito Constitucional (dois cursos), Direito Penal e Processual Penal, Educação, Direito Ambiental, Direito Inter­nacional, Direito Eleitoral, Direito Administrativo e Contratos, Direito Público Avançado, Direito Processual Civil Avançado, Direito de Família e Direito Tributário e Proces­sual Tributário. Realizou inúmeros cursos de Administração Judiciária no Brasil e exterior e o Programa de Intercâmbio de Estudo Comparado com Foco na Administração Judicial e no Sistema Constitucional, Civil e Penal dos Estados Unidos, no Estado da Geórgia. Professor-formador da ENFAM. Professor e Coordenador adjunto do Núcleo de Estudos e Pesquisas (NEP) da ESMAGIS-MT. Palestrante. Conferencista. Doutri­nador. Membro titular vitalício da Academia Mato-Grossense de Letras (AML) e da Academia Mato- -Grossense de Magistrados (AMA). Autor dos livros Direito Penal – Para Provas e Concursos, Diretoria de Foro e Administração Judiciária, Temas de Direito Penal, Recursos Penais para Exame de Ordem, Toga e Pelerine, Tribunal do Júri, Tutela Penal Ambiental e Princípios Constitucionais, além de inúmeros artigos publica­dos em revistas jurídicas especializa­das no Brasil e Europa.

Sumario

LISTA DE ABREVIATURAS, p. 17

Capítulo I CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE AO LONGO DAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS, p. 21

1.1 AUSÊNCIA DE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO PERÍODO IMPERIAL BRASILEIRO, p. 21

1.2 INFLUÊNCIA NORTE-AMERICANA E EUROPEIA NAS PRIMEIRAS CONSTITUIÇÕES REPUBLICANAS, p. 25

1.3 AVANÇOS E RETROCESSOS DO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE AO LONGO DA REPÚBLICA BRASILEIRA, p. 31

1.4 INOVAÇÕES NO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE DA ATUAL CONSTITUIÇÃO ANALÍTICA DE 1988, p. 40

Capítulo II ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DOS MECANISMOS ORDINÁRIOS DE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL, p. 45

2.1 MODELO BRASILEIRO DE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE COMO MECANISMO DE PROTEÇÃO DA ORDEM CONSTITUCIONAL, p. 45

2.2 AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE COMO PRINCIPAL INSTRUMENTO DE AFIRMAÇÃO DA SUPREMACIA DA CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA, p. 53

2.3 REPRESENTAÇÃO INTERVENTIVA E SEU PAPEL SINGULAR NA MANUTENÇÃO DO ESTADO FEDERATIVO BRASILEIRO, p. 68

Capítulo III RELEVÂNCIA E PECULIARIDADES DOS HODIERNOS MECANISMOS DE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA DE 1988, p. 83

3.1 CARÁTER AMBIVALENTE DA AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE E DA AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE, p. 83

3.2 AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE POR OMISSÃO COMO EXPANSÃO DA AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE, p. 90

3.3 ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL E SEU CARÁTER SUBSIDIÁRIO, p. 101

Capítulo IV EFEITOS TEMPORAIS DA DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE E A ADOÇÃO DE NOVAS TÉCNICAS DECISÓRIAS PELOS TRIBUNAIS CONSTITUCIONAIS, p. 117

4.1 CAUTELA DAS CORTES CONSTITUCIONAIS ESTRANGEIRAS NO TOCANTE AOS EFEITOS TEMPORAIS DA DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE, p. 117

4.2 PRESTÍGIO DA DOUTRINA DA NULIDADE DA LEI INCONSTITUCIONAL NO DIREITO BRASILEIRO, p. 121

Capítulo V JUSTIÇA CONSTITUCIONAL ESTADUAL A SERVIÇO DA GUARDA DAS CONSTITUIÇÕES ESTADUAIS, p. 131

5.1 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE DO DIREITO ESTADUAL E MUNICIPAL NA ATUALIDADE E A COEXISTÊNCIA DE JURISDIÇÕES CONSTITUCIONAIS ESTADUAIS E FEDERAL, p. 131

5.2 IMPORTÂNCIA DA REPRESENTAÇÃO INTERVENTIVA DOS ESTADOS NOS MUNICÍPIOS PARA A PRESERVAÇÃO DA HARMONIA ENTRE OS ENTES FEDERADOS, p. 138

Capítulo VI IMPACTOS DA REFORMA DE 2004 NO PODER JUDICIÁRIO BRASILEIRO, p. 141

6.1 REFLEXOS DA EC 45/2004 NO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE, p. 141

6.2 PAPEL DESTACADO DO CNJ NA ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA, p. 149

6.3 ARRANJO INSTITUCIONAL DO STF NA CONSTITUIÇÃO DE 1988, p. 154

Capítulo VII INTERPRETAÇÃO CONTEMPORÂNEA DA CONSTITUIÇÃO PELO STF, p. 171

7.1 PRINCÍPIOS E MÉTODOS DE INTERPRETAÇÃO CONSTITUCIONAL E SUA UTILIZAÇÃO PELO STF, p. 171

7.2 PAPEL DESTACADO DOS PRINCÍPIOS NA INTERPRETAÇÃO CONSTITUCIONAL, p. 184

REFERÊNCIAS, p. 191